Embarque nesse trem e viaje no fantástico Museu Ferroviário de Tubarão

O Museu Ferroviário de Tubarão proporciona uma viagem ao passado com o maquinário dos trilhos Donna Thereza Christina e preserva seus 140 anos de história.

Estradas de ferro construídas por ingleses no Sul Catarinense e que levam o nome do última imperatriz do Brasil, Donna Thereza Christina, transportam em seus trilhos histórias de altos e baixos.

A ferrovia foi pioneira na então província de Santa Catarina. Sua construção foi uma marco na época e trouxe imenso progresso à região. Sua carga, carvão mineral.

Essas são as memórias que o Museu Ferroviário de Tubarão busca resgatar. Além de promover a preservação, conservação e restauração de materiais ferroviários.

Museu Ferroviário de Tubarão

The Donna Thereza Christina Railway Company Limited

A ideia de fazer uma ferrovia no sul do estado se deu pela descoberta de carvão em Passa Dois, nas proximidades da cidade de Lauro Müller.

Conta a história que, numa determinada noite de 1830, tropeiros acampavam naquela região. Para aquecer a comida, juntaram lenha e apoiaram as panelas em pedras. Depois de atearem fogo na madeira, ficaram espantados quando perceberam que as pedras também queimavam e um cheiro de enxofre começou a exalar, o que na época caracterizava a presença do diabo. Então, no dia seguinte, recolheram amostras, que foram remetidas para análise no Rio de Janeiro.

Anos após, em 1861, o segundo visconde de Barbacena conseguiu uma autorização para a exploração do carvão catarinense e, em 1874, recebeu permissão para construção de uma estrada de ferro.

→ Já pensou passar o Réveillon 2018 em BALNEÁRIO CAMBORIÚ!

Psiiii › Inscreva-se em nosso canal no Youtube

Então, nasceu a The Donna Thereza Christina Railway Company Limited. Empresa fundada em conjunto com investidores ingleses e que levou o nome da esposa do Imperador D. Pedro II, em agradecimento pelas concessões fornecidas.

Museu Ferroviário de Tubarão

Com o capital necessário e mão de obra de imigrantes italianos que já viviam na região, a construção da ferrovia se iniciou em 1880, pela empresa James Perry Co.

Após a construção de 118 km de Imbituba as minas e um ramal de 7 km até Laguna, no ano de 1884, a Estrada de Ferro Donna Thereza Christina foi inaugura.

Museu Ferroviário de Tubarão

Porém, os anos seguintes não foram nada promissores. Um carvão que se mostrou ser de baixa qualidade para os fins desejados, uma inundação que destruiu grande parte da malha ferroviária e a falta de interesses de investidores, culminaram na tomada da ferrovia pelo Governo em 1902.

Anos mais tarde, outras novas regiões com carvão foram descobertas, o que resultou na construção de mais ramais na malha. Com a 2ª Guerra Mundial, a extração de carvão também foi impulsionada.

Desde 1997 a operação da ferrovia cabe a iniciativa privada, a Ferrovia Tereza Cristina, a qual pelos seus 164 quilômetros leva grande parte do carvão mineral que abastece o Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo e produtos de exportação ao Porto de Imbituba.

Visita ao Museu Ferroviário de Tubarão

Sob todo o contexto da Estrada de Ferro Dona Tereza Cristina, é que surgiu, em 1997, o nostálgico Museu Ferroviário de Tubarão e o passeio Trem da História.

A iniciativa partiu do médico José Warmuth Teixeira e de trabalhadores da antiga Rede Ferroviária Federal e da Ferrovia Tereza Cristina, que criaram a Sociedade dos Amigos da Locomotiva a Vapor, uma entidade sem fins lucrativos.

Museu Ferroviário de Tubarão

Dessa forma, o museu é mantido pela sociedade com a ajuda da Ferrovia Tereza Cristina. Ele tem por objetivo a conservação, a recuperação e a manutenção de equipamentos ferroviários, além da preservação da memória e do resgate histórico da ferrovia do Sul Catarinense.

O Museu Ferroviário de Tubarão é o único desse segmento em Santa Catarina e um dos poucos existentes no Brasil.

Museu Ferroviário de Tubarão

Horário de Funcionamento

De segunda-feira à sexta-feira.
Aberto das 8hrs às 12hrs e das 13h30min às 17h30m.
Aos finais de semana a visita pode ser feita mediante agendamento.

Valores

R$5,00 – adultos.
R$ 3,00 – crianças, idosos e grupos escolares.
R$ 10,00 – aos finais de semana.

Mais informações pelo Facebook ou telefone 48 3632-3450.

Endereço
Av. Pedro Zapelini, 2200 – Oficinas, Tubarão – SC, 88702-300. Mapa.

Acervo do Museu Ferroviário de Tubarão

Aos amantes de trens, aos saudados da época de se viajar sobre os trilhos e aos curiosos, com certeza o Museu Ferroviário de Tubarão é um destino certeiro para dar uma volta ao passado.

O acervo é bem variado. Há diversas locomotivas fabricadas no exterior e que foram utilizadas na ferrovia Dona Tereza Cristina, e algumas provenientes de outras ferrovias.

Também há um espaço fechado, que preserva documentos, peças antigas das estações ferroviárias e algumas outras antiguidades de um longínquo cotidiano.

Locomotivas e Vagões

Logo que entramos no museu, já avistamos um imenso abrigo com diversos maquinários ferroviários. Ali estão em torno de 14 locomotivas restauradas e em pleno funcionamento. Enquanto há outras que aguardam o processo de restauração.

O trabalho é feito por técnicos e engenheiros de uma cooperativa de voluntários, que atuam juntos normalmente com a ajuda da Ferrovia Tereza Cristina e do governo estadual.

Locomotiva 5, fabricada na Alemanha, em 1954, pela Jungenthal.

Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva 53, fabricada nos Estados Unidos, em 1920, pela The Baldwin Locomotive Works. Fabricante que foi o maior produtor de locomotivas a vapor do mundo.

Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva 300, fabricada nos Estados Unidos. Ela é capaz de puxar até 80 vagões e bem alta, tanto que os operadores deveriam ter no mínimo 1,80 para poder descer e subir da máquina em movimento.

Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva, fabricada na Alemanha, em 1919, por Heinrich Lanz Mannheim.

Museu Ferroviário de Tubarão

Vagão de luxo, chamado de Vagão Administração, construído no Rio Grande do Sul, em 1944.

Este vagão transportava engenheiros com a função de inspecionar as estradas de ferro. Ele é composto por uma cozinha, um banheiro (que inclusive tem uma pequena banheira!), quarto, sala de reuniões e sala de visitas.

Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão

Foi muito legal ter a experiência de entrar nesse vagão!

Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão

Ao lado do Vagão Administrativo (vermelho), está a Locomotiva 2, fabricada na Inglaterra, em 1916, pela Manning Wardle. Ela foi utilizada na 1ª Guerra Mundial.

Ao fundo, encontramos a Trilheira. Uma máquina utilizada na construção dos trilhos ferroviários.

Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva 208, fabricada na Tchecoeslovaquia, em 1949, pela Skoda. Ela foi restaurada em 2003. Esta locomotiva, que é a azul, pertenceu à Argentina e depois começou a operar no Brasil.

Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva 7, fabricada na Alemanha, em 1912, por Henschel & Sohn.

Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva 10, fabricada nos Estados Unidos, em 1920, pela Baldwin Locomotive Works.

Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva 9, fabricada nos Estados Unidos, em 1922, pela Baldwin Locomotive Works.

Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva 100, de 1919, aguardando para ser restaurada.

Museu Ferroviário de Tubarão

Locomotiva 153, fabricada nos Estados Unidos, em 1941, pela American Locomotive Company.

Locomotiva 205, fabricada nos Estados Unidos, em 1950, pela Baldwin Locomotive Works.

Museu Ferroviário de Tubarão

Peças e Antiguidades

Em outro espaço do Museu Ferroviário de Tubarão estão abrigados algumas peças que fizeram parte da história da Ferrovia Donna Thereza Christina.

Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão

Além, de objetos antigos, como uma coleção de máquinas de escrever, relógios, telefones e máquinas fotográficas.

Museu Ferroviário de Tubarão Museu Ferroviário de Tubarão

Detalhe para o quadro pintado pelo artista plástico Willy Zumblick em 1959, em que retrata a ferrovia e a Imperatriz Dona Thereza Christina.

Museu Ferroviário de Tubarão

Trem da História

Outra atração para os visitantes que o Museu Ferroviário de Tubarão realiza é uma nostálgica viagem a bordo de um trem turístico nos trilhos da ferrovia Donna Thereza Christina.

Para realizar os passeios, estão disponíveis 3 locomotivas a vapor operacionais (que puxam o trem) e 8 vagões de madeira. Assim, se mantém fiel as caraterísticas que tinham os trens que transitavam no início do século passado.

Ao longo do trajeto, o viajante aproveita paisagens de montanhas, campos, cidades e praias.

As temporadas do Trem da História geralmente acontecem de agosto a outubro, aos sábados. A rota utilizada é sair de Tubarão, passar por Laguna até chegar em Imbituba e dura em média 1h30min a 2hrs. O valor é a partir de R$ 109,00 por pessoa e crianças até 5 anos no colo não pagam.

Para mais informações, fique de olho no Facebook do museu, no site da empresa Casa Verde Turismo ou entre em contato via e-mail: museuferroviariotubaraosc@gmail.com.

Museu Ferroviário de Tubarão

© Engeplus

 

Não tenho dúvida que visitar o Museu Ferroviário de Tubarão, principalmente para crianças, é diversão e história garantida. Foi muito legal subir nas locomotivas, tocar o sino e entrar em um vagão de trem pela primeira vez!

Se você curtiu essa experiência ou quer visitar o museu, deixe um comentário e compartilhe com seus amigos!

Dúvidas?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *